Agronegócios
10/05/2019 19:21

Primeiro-ministro canadense atribui à guerra comercial proibição chinesa à canola do país


Ottawa, 10/05/2019 - O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, vinculou pela primeira vez a proibição da China às importações de sementes canadenses de canola ao conflito comercial e geopolítico entre os Estados Unidos e China. O Canadá se envolveu na disputa entre Washington e Pequim por causa de seu papel na detenção de Meng Wanzhou, diretora financeira da Huawei Technologies. Ela foi presa em Vancouver em dezembro do ano passado, a pedido das autoridades dos EUA, por alegações de que ela e a Huawei haviam violado as sanções dos EUA ao Irã. Ela está em liberdade sob fiança em Vancouver, com sua próxima audiência judicial marcada para o fim de setembro.

Após a prisão de Meng Meng, as autoridades chinesas detiveram dois canadenses por razões de segurança nacional em dezembro e, mais recentemente, proibiram a importação de sementes de canola canadense após agentes aduaneiros chineses terem dito que descobriram contaminação em algumas remessas. Autoridades canadenses dizem que os embarques para a China foram reinspecionados e que a semente de canola atende aos padrões internacionais de sanidade.

"A China está simplesmente usando as preocupações fitossanitárias como uma desculpa para prolongar o que é fundamentalmente um conflito nem mesmo com o Canadá, mas entre as duas maiores economias do mundo", disse Trudeau em uma entrevista coletiva em Edmonton, Alberta. Os comentários marcam a primeira vez que uma autoridade canadense ligou a proibição da semente de canola à ampla disputa diplomática com a China. Um representante da embaixada da China em Ottawa não respondeu a um pedido de comentário.

Trudeau falou com o presidente dos EUA, Donald Trump, na quinta-feira, e um resumo da conversa distribuída pelo escritório do líder canadense indicou que os dois conversaram sobre as relações com a China, com foco em conseguir a libertação de Michael Kovrig e Michael Spavor. Os dois homens foram detidos na China logo após a prisão de Meng no Canadá, e especialistas em política externa e ex-diplomatas canadenses na China disseram que os dois casos estão ligados. Trudeau disse a repórteres em Edmonton que sua conversa com Trump "destacou os desafios para o Canadá por causa deste conflito com a China".

Um comunicado da Casa Branca sobre a reunião indicou que Trump "expressou o sólido compromisso dos Estados Unidos em apoiar o Canadá nos esforços para garantir o tratamento justo e a libertação de cidadãos canadenses atualmente detidos na China".

No início deste mês, o Canadá agiu para mitigar as consequências da proibição da China às sementes canadenses de canola, prometendo ajuda financeira adicional aos agricultores. O ministro do Comércio do Canadá, Jim Carr, disse em uma entrevista que Ottawa está construindo um caso para apresentar à Organização Mundial do Comércio (OMC) a fim de contestar a proibição das importações de sementes de canola canadenses pela China. As exportações canadenses de canola para a China - a maior parte das sementes, mas também óleo e farelo de canola - foram responsáveis, no ano passado, por 40% do total de embarques de canola no exterior. Fonte: Dow Jones Newswires.
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Agro e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2019 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos