Agronegócios
16/05/2018 16:21

Funrural/Abrafrigo: STF terá a chance de restaurar a segurança jurídica para o agronegócio


São Paulo, 16/05/2018 - A Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) disse há pouco em nota que o Supremo Tribunal Federal (STF) terá, amanhã, "uma grande oportunidade para restaurar a segurança jurídica para o produtor rural e para empresas do setor do agronegócio brasileiro".

Nesta quinta-feira (17) está prevista a votação, pela Suprema Corte, dos embargos relativos à cobrança do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural), quando os magistrados definirão, principalmente, se a dívida do setor agropecuário relativa ao tributo é ou não retroativa.

Trata-se, segundo a Abrafrigo, de uma ação "decisiva" (no STF) para consolidar o entendimento da corte sobre a contribuição e sobre seus efeitos sobre produtores e empresários rurais de todo o Brasil, "quando se criou um passivo tributário de bilhões de reais".

Em março de 2017, o STF julgou que "é constitucional, formal e materialmente, a contribuição social do empregador rural pessoa física, instituída pela Lei 10.256/2001, incidente sobre a receita bruta obtida coma comercialização de sua produção".

Para o presidente da Abrafrigo, Péricles Salazar, o Supremo terá uma "oportunidade histórica" de corrigir "uma grande injustiça". Ele justifica sua afirmação lembrando das votações na corte sobre o tributo: "O STF julgou o tributo inconstitucional em 2010 e 2011", conta. "Baseados nesses dois julgamentos, muitos produtores e empresas deixaram de recolher a contribuição. No entanto, em 30 de março de 2017, a Suprema Corte mudou o entendimento e declarou a cobrança constitucional", continua Salazar. "Com a determinação, todo produtor e empresa que deixou de recolher tornou-se devedor de um imenso passivo previdenciário."

A Abrafrigo informa, ainda, que é signatária do manifesto publicado nos meios de comunicação nesta quarta-feira (15), com mais 35 entidades do agronegócio do País. Segundo o manifesto, "a não modulação dos efeitos da decisão de abril de 2017 resultará em grande impacto na produção nacional, afetando diretamente a economia dos municípios, dos Estados e do País, com incalculáveis impactos sociais, decorrentes das pressões inflacionárias e do fechamento de postos de trabalho diretos e indiretos e induzidos pelo agronegócio", diz a nota da entidade. (Tânia Rabello, tania.rabello@estadao.com)
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Agro e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos