Economia & Mercados
10/07/2019 08:36

FGV: combustíveis e conta de luz dão alívio na 1ª prévia de julho do IGP-M


Por Vinicius Neder

Rio, 10/07/2019 - Os combustíveis e a conta de luz ficaram mais baratos, compensando a volta da inflação de alimentos, ainda que moderada, na primeira prévia de julho do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M). Mais cedo, a Fundação Getulio Vargas (FGV) informou que o IGP-M desacelerou para 0,40% na primeira prévia de julho, após ter aumentado 0,73% na primeira prévia de junho.

Os combustíveis deram alívio tanto no atacado quanto no varejo. No IPA-M, que mede os preços no atacado, o subgrupo "combustíveis e lubrificantes para a produção" puxou a desaceleração da inflação, passando de uma alta de 1,00% na primeira prévia de junho para uma queda de 4,94% na primeira prévia de julho.

A desaceleração do IPA-M também teve ajuda das commodities, com destaque para os seguintes itens: minério de ferro (de 10,81% na primeira prévia de junho para 5,50% na primeira prévia de julho), soja em grão (de 5,47% para 0,54%) e leite in natura (de 2,30% para -1,26%).

Na contramão, subgrupo "alimentos in natura", dentro do IPA-M, passou de uma queda de 8,30% na primeira prévia de junho para uma alta de 4,34% em igual leitura de julho. Dentro do IPC-M, que ainda registrou deflação de 0,02% na primeira prévia de julho, o grupo Alimentação acelerou de -0,68% para -0,03%.

Segundo a FGV, dentro do IPC-M, também houve acréscimo nas taxas de variação dos grupos Educação, Leitura e Recreação (0,17% para 0,51%), Despesas Diversas (-0,42% para -0,05%), Comunicação (-0,10% para 0,24%) e Vestuário (0,00% para 0,25%).
Só que a gasolina e a conta de luz mantiveram o índice ainda no terreno negativo.

Os grupos Habitação (0,31% para -0,07%), Transportes (-0,26% para -0,60%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,44% para 0,32%) apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. A tarifa de eletricidade residencial passou de uma alta 0,68% na primeira prévia de junho para um recuo de 0,84% na primeira prévia de julho. Já a gasolina saiu de -0,30% para -2,26%, na mesma base de comparação.

Já no setor de construção civil, a volta da inflação (o INCC-M passou de -0,07% na primeira prévia de junho para 1,22% em igual leitura deste mês) foi puxada pela mão de obra. Os três componentes do INCC-M registraram as seguintes taxas da variação: Serviços (de 0,14% para 0,22%), Mão de Obra (de 0,00% para 2,39%) e Materiais e Equipamentos "repetiu a taxa da última apuração, que foi de -0,22%", diz a nota divulgada nesta quarta-feira pela FGV.

Contato: vinicius.neder@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2019 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos