Economia & Mercados
11/08/2021 21:58

Risco de interferência nos preços dos combustíveis atrapalha venda de refinarias


O risco de interferência do governo nos preços dos combustíveis dificulta a venda das refinarias da Petrobras, afirmou o diretor de Exploração e Produção da estatal, Fernando Borges, que vê mais facilidade nos desinvestimentos no setor de gás, que também passa por um processo de quebra de monopólio.

"Porque ninguém construiu refinaria desde 1997 (abertura do mercado)? O preponderante é o risco de interferência no preço, a margem é pequena e se você controla o preço na refinaria, pode operar com margem negativa. A gente viveu isso no passado recente", disse Borges em evento online promovido pela agência epbr, referindo-se aos governos do Partido dos Trabalhadores, principalmente o de Dilma Rousseff (2011-2016), que manteve os preços congelados por longos períodos.

De acordo com o executivo, mesmo com o Termo de Compromisso de Cessação (TCC) assinado pela Petrobras com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), de vender metade da sua participação no refino, quebrando assim um monopólio de décadas, existe um temor dos investidores de que o controle dos preços volte, devido à alternância de poder no País.

"Hoje (o medo da interferência) é um dos riscos que não está tornando fácil a Petrobras vender suas refinarias. Esse histórico de interferência no Brasil é longo, e quando se tem alternância de governo, pode ter um outro que acha que é a solução controlar preço e coloca esse desafio na desconcentração do refino", explicou.

A Petrobras colocou oito refinarias à venda em 2019, mas até o momento só conseguiu vender a Rlam, da Bahia, para o fundo de investimentos árabe Mubadala. Em fase mais adiantada, segundo informações recentes da empresa, estão as refinarias do Amazonas (Reman), Ceará (Lubnor) e Paraná (Six). O processo da Repar, no Paraná, foi suspenso por causa do preço baixo ofertado e ainda não voltou ao mercado. Faltam ainda também as refinarias Refap, no Rio Grande do Sul, e Rnest, em Pernambuco.

Após as vendas, que têm prazo até o final deste ano para serem concluídas, determinado pelo Cade, a Petrobras ficará com uma capacidade de refino de 1,1 milhão de barris diários.
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2021 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos