Economia & Mercados
28/01/2019 20:33

Ações da Vale caem 24,5% e derrubam o Ibovespa, que perde mais de 2%


São Paulo, 28/01/2019 - Em um dia de mau humor global pela perspectiva de maior desaceleração econômica, o forte recuo das ações da Vale por causa do acidente em uma barragem em Brumadinho (MG), consolidou o peso negativo sobre o Ibovespa, que despencou 2,2 mil pontos desde a abertura. As perdas só não foram maiores porque, durante a tarde, a força dos papéis dos bancos, que têm peso relevante na carteira, amparou o movimento baixista e ajudou o principal índice do mercado acionário local a defender a marca dos 95 mil pontos. A temporada de balanços tem início nesta semana com a divulgação dos resultados de Bradesco e Santander.

O Ibovespa fechou a sessão de negócios em queda de 2,29%, aos 95.443,88 pontos, mas entra na última semana de janeiro ainda acumulando rendimentos de 8,60% em 2019. Vale ON fechou em queda de 24,52% enquanto Bradespar PN, empresa do Bradesco que tem como maior participação papéis da mineradora, recuou 24,49%.

"A complexidade em mensurar os danos causados pelo acidente torna a análise ainda mais difícil, impossibilitando a mensuração exata de todos os impactos que o acidente pode causar", complementa o supervisor do Research da Ativa Investimentos, Pedro Guilherme Lima, em relatório enviado a clientes.

Nesta segunda-feira, ao menos quatro escritórios de advocacia (Wolf Popper; Bronstein, Gewirtz & Grossman; Rosen Law e Tha Schall) anunciaram a intenção de entrar com ação coletiva contra a Vale na Justiça americana.

Durante a sessão, também contribuiu para a ampliar as ordens de venda dos investidores, as quedas dos papéis da Petrobras, que espelharam a desvalorização em torno de 3% do petróleo no mercado internacional. As ações ordinárias da petroleira encerraram em queda de 3,53% e as preferenciais, de 3,01%.

Pelo lado positivo, em entrevista ao Broadcast, o secretário de Fazenda do Estado de São Paulo, o ex-ministro Henrique Meirelles, reafirmou a intenção de fazer uma entrada de capital privado Sabesp. Mas, segundo ele, depende de uma Medida Provisória em tramitação no Congresso. Se aprovada e transformada em lei, haverá possibilidade concreta de privatização da companhia, com a venda do controle e a possível estrada de mais de R$ 10 bilhões no caixa público estadual. Caso contrário, a opção é capitalização da holding. As ações da Sabesp encerraram o dia em alta de 1,41% no pregão de hoje. (Simone Cavalcanti - simone.cavalcanti@estadao.com)
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2019 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos