Economia & Mercados
23/02/2021 12:17

Inda: compras em janeiro chegam a 335,9 mil toneladas, alta de 13% em um ano


Por Wagner Gomes

São Paulo, 23/02/2021 - As compras dos distribuidores de aço em janeiro de 2021 chegaram a 335,9 mil toneladas, alta de 13% em relação ao mesmo período do ano passado. Na comparação com dezembro, o avanço foi de apenas 0,8%, segundo dados divulgados há pouco pelo Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda).

As vendas de aços planos em janeiro contabilizaram alta de 12,7% quando comparada a dezembro, atingindo o montante de 324,6 mil toneladas contra 288 mil. Sobre o mesmo mês do ano passado, quando foram vendidas 279,4 mil toneladas, houve alta de 16,2%.

As importações encerraram o mês de janeiro com alta de 75% em relação ao mês anterior,
com volume total de 161,4 mil toneladas contra 92,2 mil. Comparando-se ao mesmo mês do
ano anterior (106,2 mil ton.), as importações registraram alta de 51,9%.

Em número absoluto, o estoque de janeiro obteve alta de 1,7% em relação ao mês anterior, atingindo o montante de 686,9 mil toneladas contra 675,7 mil. O giro de estoque fechou em queda com 2,1 meses.

Carlos Loureiro, presidente da entidade, diz que trabalhar com níveis menores de estoques é o ideal quando se tem volatilidade nos preços. O melhor, segundo ele, é ter estoques nos níveis do Japão e dos Estados Unidos, onde não se trabalha com mais de 2 meses de giro. Ele garante que não existe reclamação de clientes sobre falta de produtos e diz que em janeiro e fevereiro as usinas priorizaram recompor estoques para os grandes clientes.

"Na rede de distribuição não há falta de material. O que se tem é eventualmente uma ou outra falta. As grandes indústrias, que chegaram a comprar material dos distribuidores, voltaram a comprar diretamente das usinas e diminuíram a pressão sobre a gente", comenta.

Sobre preços, Loureiro afirma que eles estão nos níveis mais altos e será difícil novos aumentos, mas tudo dependerá da variação do dólar e do preço do minério de ferro. Atualmente, as usinas estão com as carteiras lotadas e os preços implantados. Nas montadoras, poderá haver aumento em abril de 60% a 70%.

Perspectivas

Para fevereiro, expectativa da rede é de que compra e venda tenham queda de 5%. Já em 2021 a previsão do setor é de crescimento de 6% a 9%.

Contato: wagner.gomes@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2021 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos