Economia & Mercados
24/06/2024 17:39

Fechamento câmbio: Dólar cai com exterior em dia de ajustes e volta a ficar abaixo de R$ 5,40


Por Antonio Perez

São Paulo, 24 - O dólar à vista encerrou a sessão desta segunda-feira, 24, em baixa de 0,93%, a R$ 5,3904, após ter tocado R$ 5,3767 na mínima pela manhã. Foi o segundo pregão consecutivo de queda da moeda americana no mercado local, depois de ter alcançado na quinta-feira, 20, o maior valor de fechamento desde 22 julho de 2022. O real, que tem apanhado mais que os pares recentemente, hoje apresentou um dos melhores desempenhos entre as principais moedas globais.

Com agenda esvaziada e sem ruídos políticos, investidores aproveitaram o enfraquecimento do dólar no exterior para promover ajustes, como realização de lucros e desmonte parcial de posições cambiais defensivas. Além disso, houve relatos de entrada de recursos por parte de exportadores, que se beneficiaram da arrancada da moeda na semana passada.

A piora das projeções de inflação no Boletim Focus e os dados de contas externas em maio, ambos divulgados pela manhã, foram apenas monitorados, sem impacto relevante na formação da taxa de câmbio. Subiram novamente as expectativas para o IPCA em 2024 (de 3,96% para 3,98%) e em 2025 (3,80% para 3,85%), apesar de o Comitê de Política Monetária (Copom) ter mantido na última quarta-feira, 19, a taxa Selic em 10,50%, em decisão unânime.

"O comportamento do mercado de câmbio hoje refletiu mais um ajuste técnico, após a alta expressiva na semana passada, que esteve bastante relacionada com questões internas. E hoje não teve nenhum indicador relevante", afirma a economista-chefe do Ouribank, Cristiane Quartaroli.

Para a economista, o mercado pode se tornar mais arisco nos próximos dias, à medida que absorve uma agenda pesada de indicadores aqui e no exterior. Amanhã, 25, sai a ata do Copom. Na quarta-feira, 26, é a vez do IPCA-15 de junho. Nos EUA, há a divulgação da leitura final do PIB no primeiro trimestre na quinta, 27, e do índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês), na sexta, 28.

"Além disso, esta semana é de fechamento do mês. Devemos ter uma maior volatilidade do mercado de câmbio", afirma Quartaroli. A perspectiva é que a rolagem de posições futuras ganhe fôlego no meio da semana, com investidores já se preparando para a disputa em torno da formação da última taxa ptax de junho na sexta.

Analistas afirmam que o mercado segue muito sensível ao ruídos políticos, após a nova rodada de críticas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, na semana passada. A ata do Copom deve trazer mais detalhes do plano de voo do BC, que no comunicado trouxe um cenário alternativo no qual, com manutenção da taxa Selic em 10,50% no horizonte relevante da política monetária, a inflação em 2025 fica em 3,1%, praticamente na meta.

Há também expectativa por anúncio de medidas concretas de redução de gastos, uma vez que a agenda do ministério da Fazenda de medidas de ampliação de receita já parece exaurida. À tarde, o ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou o relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2025, senador Confúcio Moura (MDB-RO), deu total apoio ao governo na perseguição da meta primária de déficit zero ano que vem. O parlamentar se reuniu hoje com Padilha e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

"O mercado já cansou de falatório e quer algo concreto na área fiscal. Não vejo espaço para uma queda abrupta do dólar a não ser se Brasília trouxer algo muito bom", afirma o diretor de câmbio da corretora Ourominas, Elson Gusmão "Hoje, a gente acompanhou a queda no exterior, com desmonte de posição de alguns investidores e alta do petróleo".

Contato: antonio.perez@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso