Economia & Mercados
05/08/2022 19:41

Fontes: Há 87 dias no cargo, Sachsida faz reformulação no MME e já projeta outras


Por Antonio Temóteo e Célia Froufe

Brasília, 05/08/2022 - Há 87 dias no cargo, o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, tem feito alterações na estrutura da Pasta para imprimir a sua digital. Ele optou por desmobilizar uma área de estratégia do MME, mais ligada a ações de longo prazo e ao gabinete, e reforçar a atuação dos setores de mineração e energia elétrica. Outras medidas também estão em estudo, como a fusão das secretarias de Planejamento Energético e de Energia Elétrica.

Segundo técnicos da Pasta, a unificação das secretarias fortaleceria o setor de energia e ainda reforçaria outras secretarias com mais cargos. Sachsida, entretanto, ainda não bateu o martelo sobre essa medida.

A reformulação em curso consiste em esvaziar a área de pensamentos estratégicos de longo prazo e de geopolítica para reforçar os setores de mineração e de energia que têm mais a cara do que o novo ministro quer dar à Pasta e tidas como áreas fim do Ministério.

O Broadcast apurou que a avaliação interna é a de que a área com enfoque em ações de mais longo prazo é importante, mas que não há servidores suficientes para toda a demanda, então a saída encontrada foi o remanejamento. Pelos cálculos do MME, o ministério é o segundo mais enxuto da Esplanada, com cerca de 200 funcionários, perdendo apenas para o de Turismo.

As alterações devem chegar a 10 cargos - inclusive com funcionários sendo deslocados do Rio de Janeiro para Brasília. A maior parte deles é classificado pelo jargão "DAS 4" e "DAS 5", sigla para Direção e Assessoramento Superior. Esses postos, que pagam salários de até R$ 13.623,39 (quanto maior o número do DAS, maior o rendimento), podem ser ocupados por qualquer servidor ou mesmo uma pessoa de fora do funcionalismo.

E a avaliação é a de que, por conta da boa remuneração, foram importantes para fazer as mudanças, já que têm capacidade de atrair profissionais capacitados e também prestigiar o trabalho de técnicos.

Das mudanças feitas até o momento, três foram distribuídas para a Secretaria de Mineração; três para a de Energia Elétrica, uma para Planejamento, uma para a de Petróleo e Gás e uma para a Executiva. Além disso, como mostrou o Broadcast, Pedro Paulo Dias Mesquita foi exonerado do cargo de secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral.

Sachsida tem como estilo concentrar os recursos para atender aos pedidos do presidente Jair Bolsonaro. Por isso, segundo fontes, ele estaria descontente com o organograma atual, considerado mais fatiado, e decidiu dar mais atenção principalmente às duas secretarias que considerava mais desfalcadas para apresentar o seu trabalho.

Egresso do Ministério da Economia, Sachsida tomou posse como ministro do MME em maio, substituindo o almirante Bento Albuquerque em meio à alta do preço do petróleo, que levou a uma crise entre o Palácio do Planalto com a Petrobras.

Os servidores da Pasta afirmam que o ministro tem um estilo próprio de trabalho, diferente do antecessor. Segundo relatos, Sachsida realiza reuniões semanais com cada secretaria, é objetivo nos pedidos e nas cobranças, além de mostrar conhecimento técnico sobre os diversos setores do MME.

Contato: antonio.temoteo@estadao.com e celia.froufe@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Siga nossas redes: