Economia & Mercados
29/05/2020 19:01

Eletrobras quer vender participações da Eletropar quando mercado melhorar


A retirada da Eletropar do Plano Nacional de Desestatização (PND) por decreto no mês passado tem por objetivo agilizar a venda das participações da empresa, e não utilizar a companhia para reter os ativos que não serão vendidos na capitalização da Eletrobras, esclareceu nesta sexta-feira, 29, o presidente da estatal, Wilson Ferreira Jr.

"Até avaliamos essa alternativa (de usar a Eletropar para ficar com Itaipu e Eletronuclear), mas foi uma especulação do mercado. O decreto não tem nada a ver com isso, foi feito para agilizar a venda das participações", disse Ferreira Jr. em coletiva por teleconferência com jornalistas para comentar o balanço do primeiro trimestre da empresa. Itaipu não poderá entrar na conta da capitalização por ser uma empresa binacional e a Eletronuclear por questão se segurança nacional.

Segundo ele, a venda de participações da Eletropar fazem parte dos ajustes financeiros da Eletrobras para sua capitalização, e será feita quando os valores de mercado forem retomados, após a crise causada nos preços das empresas por conta do novo coronavírus (Covid-19).

"Sempre avaliamos alternativas, mas tem que retomar os valores, a um preço certo seremos vendedores, é parte do ajuste", informou o executivo. A Eletropar tem participações na EDP Energias do Brasil (0,31%), Light (0,31%), CTEE (0,60%), Emae (1,4%) e Eletronet (49%). Uma participação na Eletropaulo já havia sido vendida em 2018 e na CPFL em 2017. "A saída do PND dá mais velocidade à razão de ser da companhia, que é de compra e venda de participações", afirmou Ferreira Jr.
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2020 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos