Economia & Mercados
07/05/2022 13:14

Lula: Precisamos colocar Petrobras a serviço do povo, não de acionistas


Por Cícero Cotrim

São Paulo, 7/5/2022 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou hoje indiretamente a política de paridade de preços internacionais da Petrobras. Sem citar diretamente a medida, o petista afirmou que o País sofre com fortes aumentos da gasolina por causa de um "desmonte" da petroleira.

"O resultado desse desmonte é que somos autossuficientes em petróleo, mas pagamos por uma das gasolinas mais caras do mundo, cotada em dólar, enquanto os brasileiros recebem em real", disse o ex-presidente. "Precisamos colocar a Petrobras a serviço do povo brasileiro, não de acionistas estrangeiros."

Em um discurso de aproximadamente 40 minutos, proferido no evento que selou a aliança entre PT, PSB, PCdoB, PSOL, Solidariedade, Rede e PV em torno do nome do petista nas eleições presidenciais, Lula optou por apresentar as políticas defendidas por ele como importantes para a soberania do País e também criticou a privatização da Eletrobras, uma das principais bandeiras do ministro da Economia, Paulo Guedes.

"Defender a soberania é defender a Eletrobras, maior empresa de geração de energia da América Latina, dos que querem o Brasil submisso. Mais esse crime de lesa-pátria seria uma perda para a a nossa soberania energética", disse o petista, que também defendeu o investimento em bancos públicos como Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES.

O ex-presidente ainda defendeu o aprofundamento da integração da América Latina, com o fortalecimento do Mercosul, e o investimento nos BRICS. O grupo, que reúne economias emergentes como Rússia, Índia, China e África do Sul, foi um importante elemento da política externa na era petista.

Contato: cicero.cotrim@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Siga nossas redes: