Política
22/05/2020 17:24

Abraham Weintraub/vídeo: por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF


Por Julia Lindner, Rafael Moraes Moura, Jussara Soares e Amanda Pupo

Brasília, 22/05/2020 - O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que, por ele, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) deveriam ser colocados na cadeia. "Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF", disse. A frase consta em vídeo divulgado nesta sexta-feira, 22, por decisão judicial do decano da Corte, Celso de Mello, relator do inquérito que investiga a acusação de que o presidente Jair Bolsonaro teria interferido politicamente na Polícia Federal.

"Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF. E é isso que me choca. Era só isso presidente, eu ... eu ... realmente acho que toda essa discussão de "vamos fazer isso", "vamos fazer aquilo", ouvi muitos ministros que vi ... chegaram, foram embora. Eu percebo que tem muita gente com agenda própria. Eu percebo que tem, assim, tem o jogo que é jogado aqui, mas eu não vim pra jogar o jogo. Eu vim aqui pra lutar. E eu luto e me ferro", afirmou o ministro.

Weintraub disse, ainda, que o governo está perdendo o espírito de ouvir o que o povo quer. Segundo ele, "o povo está gritando por liberdade, ponto". O ministro da Educação afirmou também que, no governo, ele faz parte do grupo que "está mais ligado com a militância".

"Odeio o partido comunista. Ele tá querendo transformar a gente numa colônia. Esse país não é... odeio o termo "povos indígenas", odeio esse termo. Odeio. O "povo cigano". Só tem um povo nesse país. Quer, quer. Não quer, sai de ré. É povo brasileiro, só tem um povo. Pode ser preto, pode ser branco, pode ser japonês, pode ser descendente de índio, mas tem que ser brasileiro, pô! Acabar com esse negócio de povos e privilégios. Só pode ter um povo, não pode ter ministro que acha que é melhor do que o povo", declarou Weintraub.

Em seguida, Bolsonaro completou a fala de Weintraub e afirmou que o governo "está se aproximando de quem não deve". "Eu já tenho que me policiar no tocante a isso daí. São pessoas aqui em Brasília, dos três poderes, que não sabem o que é povo. Eu converso com alguns, não sabe o que é o feijão com arroz, não sabe o que é um supermercado. Esqueceu. Acha que o dinheiro cai do céu. "Eu tô com os meus privilégios garantidos, meus cem mil por mês", em média, cem mil por mês que essa galera ganha, né? Legalmente. E acha que isso não vai acabar nunca", afirmou Bolsonaro.
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Político e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2020 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos