Política
06/06/2019 10:14

Líderes da oposição querem votar crédito suplementar "sem dar cheque em branco" para governo


Por Gabriel Wainer

São Paulo, 06/06/2019 - Parlamentares da oposição comentaram, no Twitter, o adiamento da votação do pedido de crédito suplementar do governo no valor de R$ 248,9 bilhões na Comissão Mista de Orçamento (CMO) no Congresso. O Executivo precisa da aprovação desse crédito suplementar até o dia 15 de junho, caso contrário corre o risco de se endividar e incorrer em pedalada fiscal, crime de responsabilidade fiscal responsável pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

O líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini, celebrou a obstrução da oposição na CMO ontem afirmando que o bloco quer "aprovar a liberação do dinheiro para os programas sociais como o Bolsa Família", mas que não darão "um cheque em branco" para o governo. "Queremos aprovar R$ 146 bilhões, que é o necessário" para custear os programas sociais "que o PT criou", disse em uma postagem.

Na mesma linha, o líder do PCdoB na Câmara, Orlando Silva, argumentou que "o Banco Central já repassou, em 2019, cerca de R$ 100 bilhões além do previsto, logo, não há necessidade do volume requisitado pelo governo". O deputado, no entanto, disse que a oposição está disposta a aprovar o crédito suplementar com esse repasse descontado, "garantindo o necessário para ter dinheiro para a educação e programas sociais.

Contato: gabriel.wainer@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Político e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2020 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos